Comparativo: Honda CG 150 x Yamaha Fazer 150

A categoria de motos mais vendida no pais, de utilitários de 150cc 2016 / 2018, conheça o novo modelo 2019, o que mudou / 2017, está pegando fogo. Já como modelo 2014, a líder Honda CG estreou em agosto com chassi 4 kg mais leve, freio a disco de modulação mais amigável e importantes mudanças de design, que incluem um novo painel digital.
Na ocasião, a marca revelou planos de avançar ainda mais em participação nas vendas da categoria, mas não contava com uma nova (e forte) concorrente chamada Yamaha Fazer 150, que começa a ser vendida neste mês. Já chega com tecnologia bicombustível, um design anos-luz mais interessante que o da Factor 125 e painel que informa a marcha engatada e rotações do motor, o que a da CG não tem.
A Yamaha demorou para lançar uma 150 e concorrer diretamente com a Titan, é verdade (a Factor será mantida como produto básico, para concorrer com a 125 Fan). Mas não deixou por menos no evento de lançamento e afirmou que a Fazer ganha da Titan em perfomance e economia, características difíceis de conciliar.
Começando pelo uso urbano, as motos são equivalentes em praticamente tudo, mas a Yamaha se destaca por oferecer uma experiência de pilotagem mais positiva graças ao itens de série e outros refinamentos.HCG 150 2014
O motor é ligeiramente mais silencioso e vibra menos que o da Honda. As suspensões também entregam mais conforto (a posição de pilotagem é praticamente a mesma nas duas) e durante as voltas rápidas no circuito de testes, a Fazer conciliou isso com mais estabilidade nas curvas. O acerto é equilibrado como o da Fazer 250cc, que consegue ser eficiente sem prejudicar o conforto. São diferenças mínimas entre as duas, mas que existem.
A Yamaha também oferece um pacote de itens mais completo, com conta-giros analógico, indicador de marchas engatada no painel e rodas de liga leve, estas disponíveis apenas na Titan EX 2016.
Sabemos que design é questão de gosto e não costumamos opinar sobre isso, mas aqui na redação a preferência pela Fazer foi unânime: mais atraente, ousada e transmite a impressão de ser uma moto maior. No geral, ambas deixam claro que, apesar de utilitárias, querem se tornar mais desejadas.
Fato ou provocação?
Os dois modelos são novos e não houve nada mais polêmico que o desafio sobre a eficiência dos dois motores, lançado pela Yamaha. A nova Titan não recebeu mudanças no motor, que entrega 14,3 cv de potência contra os 12,2 cv da Fazer, ambos declarados pelas fabricantes para medições no virabrequim.
Acelerando as duas na pista de testes, com tanques cheios e o mesmo piloto, o resultado foi quase um empate: até 60 km/h a Fazer estava na frente, alcançando a velocidade em 5s88 contra 5s95 da Titan, resultado que se inverteu até 80 km/h, atingidos antes pela Honda, em 10s77, ante 10s85 da Yamaha.
Diferentemente do que as fichas técnicas insinuam, com diferença de 2 cv (ou 15% da potência) o resultado de aceleração é um empate técnico.
No dia a dia ninguém vê o semáforo verde e sai queimando a embreagem como se fosse o Marc Márquez ou Jorge Lorenzo largando na MotoGP. O que determina  as respostas rápidas de um motor na maior parte de situações é o torque, que evita a redução de marchas para uma boa ultrapassagem ou vencer uma subida.
Na avaliação de retomada de velocidade, quando aceleramos a moto com a 5° marcha engatada de 40 km/h a 80 km/h, a Fazer 150 foi consideravelmente mais rápida ao precisar de 14s9 contra 16s2 da Titan, que inclusive é 3 kg mais leve.
Seguimos com o confronto verificando o consumo das duas em nosso circuito de testes, para que não houvesse  interferência de agentes externos (semáforo, outros veículos…).

YF 150 2014

A Fazer 150 foi significativamente mais econômica e percorreu 64,1 km com um litro de gasolina , contra 47 km/litro da Honda. As voltas foram dadas em 5° marcha no circuito completo, com velocidade limitada a 70 km/h  e reduções de apenas uma marcha sempre nos mesmos pontos.
No dia a dia certamente o consumo será maior por causa das paradas e acelerações, mas se fosse possível rodar continuamente no ritmo do teste, a Fazer alcançaria autonomia de 970 km e a Titan de 750 km, mesmo com o tanque quase um litro maior. Depois de muitos anos sem apresentar um produto para concorrer com a Titan, a Yamaha parece ter se recuperado com uma 150cc capaz de oferecer o mesmo desempenho com mais economia e itens de série, por preço equivalente.
As versões básicas Titan ESD (com cavalete central) e Fazer ED (com rodas de liga leve) têm preços sugeridos de R$ 7.320 e R$ 7.390, respectivamente.
Já as versões topo de linha Titan EX (com rodas de liga, diferenças na pintura e adesivos) e Fazer SED ( com cavalete central, pintura do suporte do farol, molas traseiras vermelhas e lentes de pisca cristal) custam R$ 7.830 e R$ 7.850. Ambas são equipadas co partida elétrica e freio dianteiro a disco nas duas versões. Qual o consumo das motocicletas, modelo 2014, 2015, além do valor do seguro.

  • Ficha Técnica – Honda CG 150:

Motor: 149cc, 1 cilindro, 2 válvulas, comando no cabeçote, refrigeração a ar.
Diâmetro x Curso: 57,3 MM x 57,8 MM.
Taxa de compressão: 9,5:1.
Potência: 14,2 cv a 8.500 rpm.
Torque: 1,32 kgf.m a 6.500 rpm.
Alimentação: Injeção eletrônica.
Câmbio:5 marchas.
Chassi: Diamond de aço.
Comprimento: 1,996 MM.
Largura: 739 MM.
Altura: 1,086 MM.
Entre-eixos: 1,315 MM.
Distância de solo: 165 MM.
Peso: 114 kg (seco).
Tanque de combustível: 16,1 litros.
Preços: R$ 7.320 (ESD)/R$ 7.830 (EX).

  • Ficha Técnica – Yamaha Fazer 150:

Motor: 149cc, 1 cilindro, 2 válvulas, comando no cabeçote, refrigeração a ar.
Diâmetro x Curso: 57,3 MM x 57,9 MM.
Taxa de compressão: 9,5:1.
Potência: 12,2 cv a 7.500 rpm.
Torque: 1,28 kgf.m a 5.500 rpm.
Alimentação: Injeção eletrônica.
Câmbio:5 marchas.
Chassi: Diamond de aço.
Comprimento: 2,015 MM.
Largura: 735 MM.
Altura: 1,085 MM.
Entre-eixos: 1,330 MM.
Distância de solo: 160 MM.
Peso: 119 kg (seco).
Tanque de combustível: 15,2 litros.
Preços: R$ 7.390 (ED)/R$ 7.850 (SED).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *