qui. fev 21st, 2019

Honda XRE 300 Rally 2016 / 2018, conheça o novo modelo 2019, o que mudou / 2017 chega mais versátil e confortável

Modelos do segmento off-road têm conquistado a preferência do motociclista brasileiro nos últimos anos. Mais versáteis, já que podem enfrentar tanto estradas de terra quanto ruas asfaltadas, essas motos denominadas “trail” têm acumulado bons resultados de vendas e superado até nakeds em alguns casos, como o da família 300 da Honda.

Em 2014, pela primeira vez desde que foi lançada, há cinco anos, a XRE 300 superou sua irmã CB 300R em vendas: foram 37.156 unidades da aventureira emplacadas no ano passado, contra 34.189 da naked.

Segunda colocada no segmento, a XRE ocupou também a oitava posição de motocicleta mais vendida do país, ficando atrás, claro, de motos menores (a maioria até 150 cc). Este é um indício de que motociclistas que “sobem” de cilindrada estão buscando a versatilidade e robustez dos modelos de uso misto. Para 2015, a XRE passa a oferecer a versão “Rally”, que adotou grafismos em homenagem à equipe Honda de provas offroad. A nova configuração traz para-lama dianteiro injetado na cor vermelha, assim como o banco.

Conforto…

Dotada de suspensões de longo curso, rodas grandes (21 polegadas na frente; 18 atrás) e pneus de uso misto, a XRE foi lançada em 2009 e passou por uma reformulação em 2013, quando recebeu um facelift, ganhou o motor bicombustível e um tanque maior. Com os 13,6 litros de capacidade, a autonomia também aumentou. Em uma distância de cerca de 1.000 quilômetros em vias rodoviárias, seu consumo com gasolina variou entre 23 km/l e 28 km/l — com esses números seria possível rodar aproximadamente 340 km sem reabastecer.


Além do consumo mais favorável, outro ponto forte do modelo é a posição de pilotagem. Embora seja trail, seu banco em dois níveis tem espuma mais densa e é mais largo que de outras motocicletas de uso misto. A Honda também instalou um guidão largo, porém em posição mais baixa, o que faz com que os braços fiquem mais relaxados — consequentemente, o piloto cansa menos.

Há detalhes bem-vindos, como o bagageiro integrado às alças para a garupa, que facilita fixar bagagem. A pequena carenagem sobre o painel oferece pouca proteção aerodinâmica, tanto que muitos proprietários instalam bolhas maiores para enfrentar longas viagens. Outro incômodo é o ruído dos pneus originais, um par de Metzeler Enduro 3 (90/90 21, na dianteira; 20/80 18, na traseira), que são ótimos na terra, mas barulhentos no asfalto.

xre-2Preço: R$ 18.576

Ficha técnica:

Motor: 291,6 cc, DOHC, 1 cilindro, flex, arrefecimento a ar.
Transmissão: cinco marchas.
Potência máxima: 26,1 cv a 7.500 rpm (gasolina); 26,3 a 7.500 rpm (etanol).
Torque máximo: 2,81 kgfm a 6.500 rpm (gasolina); 2,85 kgfm a 6.500 rpm (etanol).
Alimentação: injeção eletrônica, partida elétrica.
Chassi: quadro berço semiduplo em aço.
Freios: Disco simples dianteiro de 256 mm, traseiro simples de 220 mm (C-ABS).
Pneus e rodas: 21 polegadas na dianteira, 90/90; 18 polegadas na traseira, 120/80.
Dimensões: 2.171 mm x 830 mm x 1.181 mm (CxLxA); entre-eixos: 1.417 mm; distância ao solo: 259 mm; altura do assento: 860 mm.
Tanque: 13,6 litros.
Peso: 151 kg (C-ABS), a seco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *